quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Inglês é diferencial na hora de garantir emprego ou uma promoção!

Mesmo quando o idioma não é exigido, ter a fluência pode fazer a diferença. 


Com a grande competição que existe no mercado de trabalho, quem fala inglês, sai na frente, no momento de ser contratado. E em Marília, SP, quem já está na empresa, leva vantagem nas avaliações para receber um aumento. "Nós normalmente avaliamos isso, colocamos em pauta quando precisamos promover alguém e umas das nossas preferências é quando a pessoa fala mais uma língua", declara a governanta de hotel Maria Carolina de Azevedo.
Mesmo para os cargos em que o inglês não é uma exigência, o candidato que domina bem esse idioma pode sair na frente dos concorrentes. Falar bem o inglês não é exigência para trabalhar na recepção de um hotel em Marília. Apenas um funcionário por turno precisa dominar a língua estrangeira. Na opinião de Eduardo Melo, esse foi o diferencial para conquistar a vaga. "Precisamos saber outras línguas para ter mais fluência no meio de trabalho, tanto na recepção de um hotel como em qualquer outro lugar", destaca o recepcionista.
E há quem decida investir no aprendizado para ajudar na própria profissão. Quando o analista de sistemas Leandro Pompilio foi contratado para trabalhar em empresa no setor de informática nem imaginava que o inglês faria diferença no dia a dia dele.
"Com todas as ferramentas que utilizamos na empresa, percebi que aprender o inglês me ajudaria bastante a entender o que cada menu representa e ler cada funcionalidade. Além dos menus, dos termos técnicos, existem várias mensagens que são em inglês também e pra você entender o que ela quer dizer precisa saber um pouco da língua", afirma.
Já o segurança William Lemes de Oliveira não fala fluentemente o inglês, mas arriscava algumas palavras quando trabalhava em Balneário Camboriú e precisava atender os turistas. Agora, quer investir na língua. "Creio que muito mais oportunidades surgirão. Em qualquer outra área, acho que é essencial falar fluentemente outro idioma."
A analista de Recursos Humanos Daniela Pires ressalta que só não vale mentir no currículo para conquistar uma vaga, já que na hora da entrevista, os conhecimentos do candidato são colocados à prova. “O risco que a pessoa corre é na entrevista, porque se passar que tem conhecimento durante o processo ou até mesmo já dentro da empresa e for averiguado que não tem, conta como um ponto negativo”, orienta.